Seguidores

8 de ago de 2012

Primo de Ze Dirceu faz ameacas a jornalistas. Familia unida te na safadeza




O miliciano escondido no codinome “Kako Lamim”, que enviou à coluna inúmeros comentários insultuosos e ameaçadores, foi localizado nesta terça-feira: ele usa o computador que está sob a responsabilidade de Clayton Mendonça de Oliveira, gerente de divisão de Furnas. Clayton/Lamim será interpelado judicialmente para confirmar ou e ameaças a jornalistas que ousam discordar do governo e do PT.
Nesta quarta, voluntariamente, “Kako Lamim” acrescentou ao prontuário outra anotação: é parente de José Dirceu. “Meu pai é primo dele, a briga vai ser boa”, gabou-se o desmentir o que escreveu. A direção de Furnas será convidada a esclarecer se o funcionário está autorizado a utilizar equipamentos da empresa para endereçar, durante o horário de expediente, insultos criminoso confesso. Bazófia, pelo jeito, é marca de família. Se tropas comandadas pelo guerrilheiro de festim só conseguem matar de rir, um batalhão de tios e primos do revolucionário de araque é coisa de picadeiro.
Mas também é caso de polícia, como registra o comentário de Reynaldo Rocha, abaixo reproduzido. Nosso Reynaldo-BH ─ que, para quem não sabe, tem uma sólida formação jurídica ─ falou por mim. (AN)
Clayton Mendonça de Oliveira (ou “Kako Lamim”), parente de José Dirceu, gerente de divisão de Furnas.
Dentro das regras legais ─ que certamente desconhece – será interpelado por ofensas, calúnias e (se seguiu a cartilha dos petixiitas) ameaças. Nada na WEB é oculto. Só os imbecis (mesmo os que se julgam experts na área) acreditam nisso. Não se trata de vendetta, mas de reparação. Que o tal Clayton/Lamim prefere ignorar. Apela para um tipo de anonimato que não passa de reduto de covardes.

Seria grave o fato por si. NENHUM dos comentaristas habituais desta coluna ameaça oponentes. O que fazemos é desmontar mentiras e escancarar exemplos de mediocridade. Elles (os milicianos) preferem a agressão vulgar e ameaças explícitas. Sei disso. Já sofri ataques do gênero.  Ainda mais grave é um gerente de divisão de uma empresa estatal
 usar IPS e equipamentos (além do horário reservado ao trabalho) prestar-se a tal a
berração. A direção de Furnas terá de manifestar-se. É o que esperam ao menos os acionistas minoritários, que não fazem parte do governo nem admitem que uma estatal seja reduzida a quintal do PT e apaniguados.
Uma empresa que tem ações na Bolsa, alcançou dimensões internacionais e atua numa área estratégica para o país não pode tolerar o uso de ferramentas de trabalho para a consumação de serviços sujos. Furnas lida com energia. Não com esgoto. Não é propriedade 
 


Nenhum comentário: