27 de mai de 2012

Lula e um caso de policia


“É inconveniente julgar o processo agora”, começou Lula, lembrando que, como 2012 é um ano eleitoral, o PT seria injustamente afetado pelo barulho em torno do escândalo. Depois de registrar que controla a CPI do Cachoeira, insinuou que o ministro, se fosse compreensivo, seria poupado de possíveis desconfortos. “E a viagem a Berlim?”, perguntou em seguida, encampando os boatos segundo os quais Gilmar Mendes e Demóstenes Torres teriam viajado para a cidade alemã num avião cedido por Carlinhos Cachoeira, e com todas as despesas pagas pelo meliante da moda.



......................................................................................................................


O escândalo descoberto há sete anos se arrasta no STF há cinco, mas os dez doutores criticaram “a correria para o julgamento, atiçada pela grita”. Eles resolveram dar lições ao tribunal por estarem “preocupados com a inaudita onda de pressões deflagradas contra a mais alta corte brasileira”. O Brasil decente faz o que pode para manifestar seu inconformismo com o tratamento gentil dispensado pela Justiça a pecadores que dispõem de padrinhos poderosos e advogados que cobram por minuto. São pressões legítimas. Preocupante é o cerco movido a um Poder independente por um ex-chefe do Executivo. Isso não é uma operação política, muito menos uma ação jurídica. É um genuíno caso de polícia.


Leia tudo em: http://veja.abril.com.br/blog/augusto-nunes/direto-ao-ponto/reportagem-de-veja-revela-a-obscena-ofensiva-de-lula-para-subjugar-o-supremo-e-livrar-do-castigo-a-quadrilha-do-mensalao/

Um comentário:

Luma Rosa disse...

O legislativo é conivente com essa patifaria quando tem deixado continuar esse apadrinhamento de nomeação de ministros do STF e STJ por parte do presidente da república. É para isso que tem servido essas nomeações, somente os tolos não percebem que isso será usado no futuro para extorquir favores juntos a esses ministros desses tribunais. Já passa da hora de mudar a lei. Será que os membros do Judiciário não tem competência para eleger alguns de seus pares?
Do que será que o Gilmar tem medo?