7 de abr de 2011

FORMACAO DE MOVIMENTOS SUBVERSIVOS

Veja estas manchetes de jornais:

•MST: 2 milhões de militantes e 1.800 escolas

•200.000 crianças no Brasil aprendem no Livro Vermelho de Mao

•País terá graduação para assentados

•Graduação na USP só para aluno assentado

•MST forma professores e prega luta

•Projeto (para professores da roça) é inspirado em graduação para sem-terra.

Não é assustador?

•Estão matriculados 160.000 sem-terrinhas nas 1800 escolas públicas dos assentamentos e acampamentos. São reconhecidas pelo MEC e mantidas, evidentemente, com recursos que vêm do Governo.

•Existem cursos exclusivos em cerca de 20 universidades para formação de sem-terra, por convênio. Esses cursos são, na maioria, pagos pelo Incra. Para se candidatar ao curso é preciso ser assentado, filho de assentado, não ter formação superior e trabalhar como educador em escolas.


•Uma universidade própria, a Florestan Fernandes. Inaugurada em janeiro de 2005, em novembro do mesmo ano formava 60 alunos em cursos de especialização, com a presença do secretário-geral da Presidência, ministro Luiz Dulci. Bem destacada no centro de cada diploma estava a frase: “Contra a intolerância dos ricos, a intransigência dos pobres. Não se deixe cooptar. Não se deixe esmagar. Lutar sempre
Continua... aqui:

http://www.paznocampo.org.br/

Um comentário:

incognitus disse...

Me desculpe o termo meio chulo mas ja foi usado ate mesmo por um oficial das nossas FFAA...."Ta faltando culhões" traduzindo falta homem nas Forças Armadas para tomar uma atitude.