7 de out de 2010

Como assim, Dilma TERIA defendido a descriminalizacao do aborto?

Como, supostas contradicoes? Como no passado ela teria defendido a descriminalizacao da pratica? Nao e no passado que ela defendia isso, e agora. A cabeca de Mascarenhas esta divagando, ele nao pode confundir as coisas, no passado Dilma era hippie, nao tomava banho, abandonou os pais para viver na rua, logo em seguida encontrou outro sujo com quem foi viver junto. Ai resolveu ser terrorista que era moda na epoca. Incentivada por outros sujos como Gilberto Gil e Caetano Veloso. Nessa situacao ela nem se preocupava com aborto mas em conseguir mais dinheiro para a causa daqueles que viviam na rua e que precisavam comer, participou de assaltos, roubos e sequestros e assassinatos. A defesa do direito ao aborto veio agora, depois que ela se tornou uma dama e que passou a tomar banho diario, usar perfumes, roupas e calcados carissimos e tudo o mais que dao conforto para os capitalistas, como os PeTistas costumam dizer.
Comentario meu no:  http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/dom-odilo-e-o-%e2%80%9cposicionamento-claro%e2%80%9d-ou-um-texto-que-tenta-transformar-um-fato-em-boato/#comment-1235414

Um comentário:

Jorge Nogueira Rebolla disse...

O presidente do pt finge não saber que os posicionamentos morais e filosóficos são primordiais para os seres humanos. O pt quer transformar todos nós em animais preocupados apenas com os aspectos materiais. Pena de morte, legalização do aborto e muitos outros pontos estão acima da política partidária e das questões do executivo. Transcende o embate eleitoral, portanto discutir isto é obrigação dos candidatos que se opõe ao assassinato de inocentes.
Eu não sou um religioso praticante. Mesmo sendo um católico bissexto sou contrário a legalização do aborto, não porque um padre, um bispo ou mesmo o Papa, seja contra, mas por saber que o embrião ou o feto, seja qual o termo que os abortistas utilizam para desumanizar aquela criança, já é único. O pequeno ser humano em gestação não e um mero apêndice do corpo materno. Já possui uma identidade genética própria. Não é uma mera expectativa de vida, é uma existência humana ainda incipiente, porém subsiste em toda a sua plenitude.