14 de dez de 2009

Lula o ilusionista

Autor: Laurence Bittencourt Leite

O governo atual diz que pagou a divida externa, mas hoje, ela está em 230 bilhões de dólares. Você sabia ou não quer saber? A pergunta é: pagou? Quitou? Saldou? Não. Mas uma mentira repetida várias vezes torna-se verdade. Pagamos sim, ao FMI, 5 bilhões de dólares, o que portanto mostra apenas quão distante estamos do que é pregado para o povo.
Nossa dívida interna saltou de 650 bilhões de reais em 2003, para 1 trilhão e 600 bilhões de reais hoje, e a nossa arrecadação em 2003 – ano da posse do Ilusionista – que foi de 340 bilhões, em 2008 foi de 1 trilhão e 24 bilhões de reais.
Este ano a arrecadação caiu 1% e, olhem bem, as despesas aumentaram 16, 5%. Mas esses dados são empurrados para debaixo do tapete. Enquanto isso os petralhas estão todos de bem com a vida, pois somente com nomeação já foram 108 mil, isso sem contar as 60 mil nomeações para cargos de comissão. O PT vai muito bem, os cumpanhêros estão todos muito bem situados, todos, portanto, estão fora da marolinha, mas nós outros estamos sentindo o peso do Estado petista ineficiente, predador e autoritário.
 O governo Lula também desfralda a bandeira da reforma agrária. O governo anterior fez mais pela reforma agrária que o PT, mas claro, esses números não interessam. Na verdade não deveriam interessar mesmo. Basta dizer que reforma agrária é mais falácia do que coisa concreta em beneficio da sociedade. Se querem saber, em todos os países onde houve “reforma agrária”, logo em seguida se tornaram países importadores de alimento. A ex-URSS, Cuba e China são exemplos claros do que estou afirmando. Mas continuamos com o discurso de reforma agrária.
A URSS quando Stalin coletivizou a terra, passou a ser importadora de alimento e, consequentemente, a ser um dos responsáveis pelo aumento do preço do alimento no mundo. Entendam. Cuba antes da comunização com Fidel, produzia 12 milhões de toneladas de açúcar do mundo, hoje não produz nem 2 milhões.
A Venezuela, tão admirada por Lula, produzia 4 mil quilos de feijão por hectares, depois da “reforma agrária” praticada pelo coronel Hugo Chaves só produz 500 kg por hectares. Mas os socialistas não sabem nem querem saber dessas questões, o trabalho que dá para produzir, para gerar alimentos, isso porque eles tem a sociedade para lhes pagar o salário, as contas e as mordomias, além de dinheiro do contribuinte para colocar comida na sua mesa. Mas eles não sabem nem querem saber sobre o que é produzir, cultivar, plantar alimentos.
Pois bem, os cumpanhêros acreditam nos “milagres” da reforma agrária. Dizem que estão mudando o país. É para gargalhar. Agora, incrível, e hoje está mais do que comprovado, que com a diminuição dos impostos nos setores de eletrodomésticos fez o comércio e indústria neste setor produzir e vender mais. O aquecimento na venda de carros também surtiu efeito com a redução de impostos. O que fica definitivamente comprovado é que imposto neste país é um empecilho ao progresso e ao desenvolvimento. Mas o discurso dos petistas é outro. Ou seja, uma mentira repetida várias vezes torna-se verdade. É o ilusionismo de Lula.

leia mais: http://reservativa.blogspot.com/

3 comentários:

Partido Alfa disse...

Somos uma Federação de Estados não indepedentes. Está mais do que na hora de nos livrarmos das correntes da escravidão. Partido Alfa quer a divisão, na fonte, de todo e qualquer tributo, em um terço para cada ente administrativo, Municipios, Estados e União. Menos INSS e FGTS.

Valdeir Almeida disse...

Tereza,

Os esquerdistas-lulistas-ilusionistas fingem acreditar nesses números.

Eu não sei onde vai parar isso. Lula cada vez mais perde a compostura de presidente, falando palavras de baixo calão, como aconteceu recentemente, ao dizer a palavra "Merda". O povo, que Lula não quer que estude, acha isso bonito, e continua a votar nele ou no seu partido. Assim, Lula dá circo e "Bolsa família" para segurar o PT no poder.

Abraços.

Lord disse...

Oi Menina
A proposito de meu post "A turmo do mal esta pelo congresso" e minha referência ao Clodovil.
O Clodovil era digno, serio e honesto, era um dos maiores estilistas do mundo, mas não era um político. Meu comentário se deve ao fato de que defendo a idéia de que "político" deve ser um "profissional", explicando, eu não confiaria uma cirurgia cardíaca a um engenheiro eletricista, são profissões diferentes. Por isso não confio em uma vereança de pagodeiro, como acontece no município de São Paulo. Em alguns paises como a Holanda o político é um profissional, não tem vinculo nem exerce qualquer outra atividade que não seja a política. No meu post não me fiz entender pelo que peço desculpas, até porque respeitava demais a inteligência do Clodovil, era uma pessoa realmente admirável.
Um abraço e obrigado pelo puxão de orelhas.