20 de out de 2007

A AMBICAO DIABOLICA... Por Anatoli Oliynik

Queridos blogueiros, amei este artigo e colei para voces no meu blog porque ai diz tudo o que nos blogueiros pensamos a respeito do assunto COMUNISMO.
A ambição diabólica do esquerdista é querer mandar no mundo”

O esquerdista é um doente mental que precisa de ajuda e não sabe. Um sujeito miserável que necessita da piedade humana. Mas cuidado com ele. Por ser um ser desprezível, abjeto, infame, torpe, vil, mísero, malvado, perverso e cruel, todos sinônimos é verdade, mas insuficientes para definir seu verdadeiro perfil, ele é perigoso e letal.

É um sociopata camuflado, um psicótico social que imagina ser Deus e centro do mundo. Na sua imaginação acha que é capaz de solucionar todos os problemas da humanidade e do mundo manifestado, mas que na verdade quer solucionar os seus próprios, que projeta nos outros para iludir-se de ser altruísta.


É um invejoso. A inveja é a sua marca registrada. Sente ódio doentio e permanente pelas pessoas de sucesso, notadamente aquelas realizadas financeira e economicamente. O sucesso alheio corrói suas entranhas. É aquele sujeito que passa pelo bosque e só vê lenha para alimentar a fogueira de seu ódio pelo sucesso alheio.

É um fracassado em todos os sentidos. Para justificar o seu fracasso busca desesperadamente culpados para a sua incompetência pessoal, profissional e humana. No seu conceito, a culpa é sempre dos outros, nunca atribuída a ele mesmo. É um sujeito que funciona como uma refinaria projetada para transformar insatisfações pessoais e sociais em energia pura para promover a revolução proletária.


É um cínico. Não no conceito doutrinário de uma das escolas socráticas, mas no sentido de descaramento. Portanto, um sujeito sem escrúpulos, hipócrita, sarcástico e oportunista. Para justificar seu fracasso e sua incompetência pessoal, se coloca na condição de defensor do bem-estar da sociedade e da humanidade, quando na verdade busca atender aos seus interesses pessoais, inconfessos. Para isso, se coloca na postura de bom samaritano e entra na vida das pessoas simples e desprovidas da própria sorte, com seu discurso mefistofélico.

É um ateu. Devido a sua psicose, já comentada anteriormente, destitui Deus e se coloca no lugar d’Ele para distribuir justiça, felicidade e bem-estar social, solucionar todos os problemas do mundo e da humanidade, dentre outros quejandos. É um indivíduo que tem a consciência moral deformada e deseja, acima de tudo, destruir todos os valores cristãos e construir um mundo novo, segundo suas concepções paranóicas.


É um narcisista. A sua única paixão é por si mesmo, embora use da artimanha para parecer um sujeito preocupado com os outros, no fundo não passa de um egoísta movido pelo instinto de autoconservação.

É um niilista. Um sujeito que renega os valores metafísicos divinos e procura demolir todos os valores já estabelecidos e consagrados pela humanidade para substituí-los por novos, originários de sua própria demência. Assim, ele redireciona a sua força vital para a destruição da moral, dos valores cristãos, das leis etc. Sua vida interior é desprovida de qualquer sentido, ele reina no absurdo. É o “profeta da utopia” e o “filósofo do nada”.


É um genocida cultural. Na sua vasta ignorância da realidade do mundo manifestado, o esquerdista acha que o mundo é a expressão das idéias nascidas de sua mente deformada e assim se organiza em grupos para destruir a cultura de uma sociedade, construída a custa de muitos sacrifícios e longos anos de experiência da humanidade.

Agora que você conhece algumas características do esquerdista, fica um conselho: jamais discuta com um deles, porque a única coisa que ele consegue falar é chamá-lo de reacionário, nazista, capitalista e burguês. Ele repete isso o tempo todo e para todos que o contradizem, pois a única coisa que sua mente deformada consegue assimilar, são essas palavras. Com muito custo ele consegue pronunciar mais um ou dois verbetes na mesma linha aos já descritos, todos para desqualificá-lo e assim expressar a sua soberba.


Os conceitos atribuídos ao esquerdista se aplicam em gênero, número e grau aos socialistas, marxistas, leninistas, stalinistas, trotskistas, comunistas, maoístas, gramscistas, fidelistas, chevaristas, chavistas e especialmente aos membros da família dos moluscos cefalópodes.

Para finalizar, porém longe de esgotar o assunto, o esquerdista é aquele sujeito cuja figura externa é enormemente maior que a própria realidade. Sintetiza o cavaleiro solitário no deserto do absurdo, cuja ambição diabólica é querer mandar no mundo.

( * ) Anatoli Oliynik (61) é administrador e consultor de empresas.

11 comentários:

Professsor disse...

E eu assino embaixo!

ROÇA COISA É OUTRA LIMPA disse...

Tereza, tambem gostei e postei este artigo la na roça.
E a verdade é que são mesmo uns sociopatas.
E vc que disse morar no Canadá, se tiver tudo legal, continue, nem sinta saudades disto aqui, pois não vale a pena.
Um abraço!

ROÇA COISA É OUTRA LIMPA disse...

A propósito, vc tem notícias do C Antonio?Há uma semana ele não posta nada lá no Blogando.E ele não é de falhar um dia...

Anônimo disse...

Gostaria que vocês comentassem sobre os genocídios produzidos na Africa por comunistas ou com colaboaração deles:
1. Eritréia
2. Ruanda
3. Sudão

ROÇA COISA É OUTRA LIMPA disse...

Tereza, encontramos o Antônio.Não aconteceu nada com ele.Teve alguns probleminhas, mas está vivo e com muita saúde.
Um abraço

ZEPOVO disse...

O artigo é bom, mas peca querendo generalizar o esquerdista. As " qualidades" citadas são comuns a todos egoistas, egocentricos e dominadores da esquerda ou direita, podem estar presentes em ditadores ou eleitos.
Mas entendo a necessidade de demonizar nosso contrário, isto é muito usado pela esquerda comunista e pelas ditaduras, vcs podem utilizar a técnica, mas a massa do eleitorado petista, não é sensível à este tipo de texto.
Vcs precisam usar mais militância para substituir o governo de Lula, que é o que vcs querem, eu suponho.Precisam " chegar junto ao povo", vcs sabem fazer isto?

pazkoal disse...

Genial, é a fotografia por inteiro de "nóçoguia" e dos esquerdopatas de plantão, como o sujeito que se identifica como ZéPovo acima.

Anônimo disse...

Hoje cedo eu acordei
com uma certa nostalgia
pois me veio na lembrança
um tempo de alegria
Da aurora da minha vida
da minha infancia querida.
Do grande amor que eu tinha,
por minha terra,o Brasil
Do orgulho que sentia
por nosso céu cor de anil.
Cantava e dizia versos
como prova de amor,
por nossa linda bandeira
que tremulava faceira
no saguão do grupo escolar.
A aurora da minha vida,
a minha infancia querida,
os anos não trazem mai!
Mas trazem à minha lembrança,
que o verde era a esperança
de um povo lutador
E o amarelo era o ouro,
a riqueza do sonhador.
É, os anos não trazem mais,
aquele branco que era a paz.
A paz e a confiança
que só mesmo uma criança
livre e feliz pode ser,
só mesmo uma criança,
paz tamanha pode ter.
A minha infância querida
daquelas tardes fagueiras,
os anos não trazem mais.
Mas me vem uma esperança,
que as cores da minha bandeira,
linda vibrante, faceira,
num céu azul sem fronteiras
para nós, brasileiros
e brasileiras,
voltará a tremular!
Hoje cedo eu acordei
com uma certa nostalgia
pois me veio na lembrança
um tempo de alegria
Da aurora da minha vida
da minha infancia querida.
Do grande amor que eu tinha,
por minha terra,o Brasil
Do orgulho que sentia
por nosso céu cor de anil.
Cantava e dizia versos
como prova de amor,
por nossa linda bandeira
que tremulava faceira
no saguão do grupo escolar.
A aurora da minha vida,
a minha infancia querida,
os anos não trazem mai!
Mas trazem à minha lembrança,
que o verde era a esperança
de um povo lutador
E o amarelo era o ouro,
a riqueza do sonhador.
É, os anos não trazem mais,
aquele branco que era a paz.
A paz e a confiança
que só mesmo uma criança
livre e feliz pode ser,
só mesmo uma criança,
paz tamanha pode ter.
A minha infância querida
daquelas tardes fagueiras,
os anos não trazem mais.
Mas me vem uma esperança,
que as cores da minha bandeira,
linda vibrante, faceira,
num céu azul sem fronteiras
para nós, brasileiros
e brasileiras,
voltará a tremular!

Anônimo disse...

Tereza que bom que vc voltou,assim temos com quem desabafar sobre as
mazelas que acontecem no nosso país.Foi pensando nisso que resolvi
postar esse poema,lembrando os bons tempos que reverenciávamos nos
sos símbolos nacionais,quando tínhamos orgulho do nosso país,do nosso verde e amarelo.Hoje,com essa "raça ruim"que está no poder,
tudo é feito para que não haja civismo,patriotismo,etc...Hoje se comemora,dia do orgulho gay,dia da
consciencia negra,dia de aniversário da morte do sanguinário
'che jaguara'e outras datas bizarras.Pobre Brasil,sem orgulho próprioe de um povo apático,sem reação.É HORA DE MARCHAR,BRASILEIROS! TIAGILA.

Anônimo disse...

O que é isso??? Eu chamaria de total desconhecimento, muita palavra sem conhecimento. Desinformação total sr. Anatoli!

Jairo disse...

Interessante o texto ao demonizar a todos aqueles que intentaram contra a ordem mundial(capitalista), com suas vidas e ideais e agora esse texto tras golpe final com a propaganda moderna tecnologica em detrimente daquela de passado recente que dizia"todo comunista come criancinha". Nao quero alongar essa conversa Anatoli, apenas lembrar dos resultados que essa vitoria politica trouxe ao mundo em especial ao nosso país, qual seja o Brasil ainda tem quase um terço da sua populaçao com primario incompleto(boa parte analfabeta ou quase).Da mesma forma, o tema segurança, o risco de ser atingido por uma bala perdida ou ter um filho com grande chance de entrar para o tráfico de drogas por viver numa área marginal, também nao se pode trduzir em termos economicos.E agora politicamente, todos esses nomes citados no texto só serve para a academia, pois a cultura brasileira se constituiu, em torno da abertura para o novo e a absorçao da diversidade dentro de um sincretismo religioso, politico e cultural, em grande parte à margem da relaçao com o Estado.Dai que eu digo que a cidadania no Brasil continuará a ser mais uma utopia que um conceito descritivo se nao se cumprirem certas condiçoes de igualdade social (buscada pelos marxista e outros citados no texto) especialmente (um palavrao que esse texto defende e treme so de ouvir) em termo de acesso a bens coletivos, como educaçao, emprego e previdencia.Sao condiçoes para a participaçao ativa no mundo moderno, de inserçao produtiva na vida social e do sentimento de pertencimento a uma comunidade com um destino compartilhado.