1 de jul de 2017

TEMER PASSOU UMA RASTEIRA NOS CHEFOES DOS "MORTADELAS" DO PT

Piero Pagni, seu texto e primoroso e verdadeiro e eu assino embaixo de tudo o que disse que e a pura verdade. Parabens por postar

Image may contain: 1 person, sunglasses and text

PERCA ALGUM TEMPO, mas leia
Corrupto ou não, Temer lavou a alma do povo e incomodou gente poderosa. E ainda chamou Janot de corrupto bêbado
Por mais que o presidente Michel Temer não tenha conquistado altos índices de popularidade, uma coisa todos devem concordar: nenhum presidente da história do país sofreu ataques tão implacáveis de origens tão distintas e conseguiu se manter de pé como ele. Temer foi alvo de ações ferozes e letais sorrateiramente planejados por setores do judiciário, incluindo a PGR e o STF, de quase toda a imprensa brasileira, dos artistas, dos partidos de esquerda e de formadores de opinião nas redes sociais e, pelo menos até o momento, conseguiu resistir até com certa elegância.

Neste caso, o mérito por ter resistido a forças tão devastadoras é todo de Temer e de mais ninguém. Os empregados da Globo ficaram esbaforidos de tanto que pediram a renúncia do presidente e nada. Nem a Globo, nem os artistas, Janot, Fachin, o silêncio de Cármen Lúcia, os partidos de esquerda, todos os movimentos sociais e sindicais do Brasil conseguiram convencer a população a ir para as ruas pedir a renúncia de Temer.
Por outro lado, diante de uma tempestade de ataques tão vigorosos vindo de todas as direções, Temer ainda conseguiu manter sua base política coesa, a ponto de até o PSDB, um partideco tão sem moral quanto o PT, ter pensado duas vezes antes de desembarcar de seu governo.
A pergunta que fica é a seguinte: de onde vem a força do mordomo? A resposta é bem simples. Afinal, os brasileiros viveram quase 14 anos como reféns de uma organização criminosa que tinha planos de se perpetuar no poder. Temer foi o cara que puxou o tapete desta gente. O inexpressivo e até tímido mordomo, chamado de fraco por Dilma e Lula, deu uma lição nos petistas e se revelou o Senhor do Congresso. Corrupto ou não, Temer foi pragmático e teve muita coragem de enfrentar uma organização criminosa como o PT.
Logo que assumiu o poder, Temer lavou a alma dos brasileiros e mexeu com interesses poderosíssimos. Demitiu mais de 20 mil macacos petistas que viviam dependurados na máquina pública, acabou com a mamata dos artistas petistas que viviam das verbas da Lei Rouanet, cortou verbas públicas para jornalistas de aluguel, sites petistas e todos os blogs sujos da esgotosfera, não aliviou Lula dos objetos que ele roubou dos Palácios do Planalto e Alvorada, cortou os 80 motoristas de Dilma, acabou com a farra das grandes empresas no BNDES, magoou bancos reduzindo juros, rompeu contratos com empresas amigas do PT e propôs quebrar as pernas de mais de 13 mil sindicatos do Brasil através da extinção da contribuição sindical obrigatória. Lula chegou a chorar, reclamando que Temer estava destruindo o que ele levou anos para construir.
Como se não bastasse, Temer conseguiu tirar o Brasil da pior recessão em mais de cem anos, reduziu a inflação, conteve a escalada do dólar, reduziu Juros e o país já estava começando a gerar empregos com carteira assinada. Por três meses consecutivos. Até que veio a tentativa de golpe.
Fiando-se nos baixos índices de popularidade de Temer, a Globo, o PT e principalmente a REDE, acharam que o derrubariam com um espirro. Juntaram-se aos bandidos da JBS e armaram um conluio com o procurador-geral da República, Rodrigo Janot e o ministro do Supremo Tribunal Federal, Edson Fachin. Janot até encarregou seu braço direito na PGR para orientar Joesley Batista, que conseguiu um belíssimo acordo de delação premiada.
O senador Randolfe Rodrigues,da REDE, "em apenas 15 minutos" após a divulgação em 1ª mão pela Globo, conseguiu protocolar um pedido de Impeachment que levaria pelo menos 3 dias p/ ser confeccionado.
Os golpistas devem ter aberto até champanhe na véspera do dia 17 de maio, para comemorar a derrubada de Temer e os lucros que teriam especulando no mercado financeiro.
Mas as coisas não saíram como planejado. O mordomo se empertigou todo e resistiu ao golpe. Temer não apenas não renunciou, como deu início a uma das mais implacáveis ondas de retaliação contra o grupo JBS do criminoso confesso Joesley Batista. Em uma sequência devastadora de ataques, Temer encerrou uma linha de crédito de R$ 9 bilhões que a J&F tinha na Caixa Econômica, cancelou um contrato de fornecimento de gás da Petrobras para uma termelétrica do Grupo e elevou o teto das multas da Comissão de Valores Mobiliários de R$ 500 mil para R$ 500 milhões. A JBS é alvo de nada menos que nove inquéritos na CVM. Temer literalmente quebrou as pernas de Joesley Batista.
Inconformados com o fracasso do golpe, Janot, a Globo e a JBS se levantaram, sacudiram a poeira e voltaram para a segunda onda de ataques contra Temer. O mordomo não se intimidou e prosseguiu retaliando seus detratores de forma impiedosa. Ao ser denunciado por Janot esta semana, Temer demonstrou que não está disposto a ceder a pressões e partiu para cima do procurador.
Temer chutou o pau da barraca e expôs Janot de forma cruel, ao insinuar que ele recebeu dinheiro por meio do ex-procurador Marcelo Miller, que deixou o Ministério Público Federal para atuar em um escritório de advocacia que negociou o acordo de leniência da JBS.
"Talvez os milhões de honorários recebidos não fossem apenas ao assessor de confiança [Miller], mas eu tenho responsabilidade e não farei ilações. Tenho a mais absoluta convicção de que não posso denunciar sem provas", disse Temer, referindo-se ao ex-procurador como "homem da mais estrita confiança" de Janot.
Temer demonstrou que não tem nada de bonzinho ao mencionar a queda de Janot pelo álcool e disse que o procurador realizou um "trabalho trôpego". Mais adiante, Temer foi ainda mais explícito ao lançar mão do termo embriaguez, referindo-se ao trabalho sujo de Janot na denúncia:
"As regras mais básicas da Constituição Federal não podem ser esquecidas e jogadas no lixo, tripudiadas pela embriaguez da denúncia, que busca a revanche a destruição e a vingança. E ainda assim fatiam a denúncia para provocar fatos contra o governo, querem parar o país e parar o Congresso Nacional, em uma ato político de denúncias frágeis e precárias", declarou Temer, ressaltando que tem disposição em continuar no cargo.
Uma coisa não se pode negar: o mordomo não é tão bobinho assim como muitos imaginam. E apesar de sua baixíssima popularidade, parece que o povo não está muito disposto a ir para as ruas pedir sua renúncia.
Se Temer sobreviver até 2018, pode continuar dando muito trabalho para toda essa gente.
https://www.facebook.com/piero.pagni?fref=nf&pnref=story


Nenhum comentário: