Seguidores

7 de out de 2015

DILMA ESTA CADA VEZ MAIS ENCURRALADA, DESTA VEZ PELO TSE, DE DIAS TOFFOLI



Entenda o que será investigado e pode anular a vitória de Dilma


TSE reabre ação do PSDB para impugnar mandato de Dilma e Temer

Por 5 votos a 2, ministros reverteram arquivamento; falta definir novo relator.
Tucanos apontam abuso de poder; defesa diz que contas foram aprovadas.

A ministra Maria Thereza de Assis Moura, o presidente do TSE, Dias Toffoli e o ministro Gilmar Mendes durante sessão plenária do TSE que reabre ação do PSDB para impugnar mandato de Dilma e Temer (Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)
Ministra Maria Thereza de Assis Moura e ministros Dias Toffoli e Gilmar Mendes, durante sessão plenária do TSE que reabriu ação contra Dilma e Temer (Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência BrasI


Publicado em 6 de outubro de 2015 por  em  com 0 Comentários

A decisão do TSE de dar prosseguimento à ação contra as contas da campanha eleitoral da coligação “Muda Mais” deve ajudar a esclarecer inúmeras frentes de investigação que já estão em andamento. Para ajudar nossos leitores a entender tudo o que pesa contra as campanhas de Dilma Rousseff, que é acusada de abuso de poder político e econômico (incluindo uso de cadeia nacional de rádio e televisão e dinheiro de propinas do Petrolão), trouxemos neste post uma coleção de links. Vejam como tanto a eleição de 2014 como a de 2010 têm inúmeros elementos fortíssimos para a impugnação das campanhas:
  • A revista IstoÉ fez uma ótima reportagem que aponta indícios do esquema oficial de doação de recursos para a campanha. Tudo funcionava como uma espécie de lavanderia de dinheiro proveniente de propinas do petróleo. Leiam aqui;
  • Ricardo Pessoa, em sua delação premiada, detalhou como funcionavam os repasses a campanhas eleitorais como a de Dilma em 2014 e a de Fernando Haddad em 2012. Relembrem no post “Acabou o impeachment, agora é cassação“.
  • Novamente na IstoÉ, outra reportagem registra os dados levantados por Gilmar Mendes para pedir o aprofundamento das investigações. Leiam aqui.
  • Pedro Barusco, ex-gerente de serviços da Petrobras, afirmou à CPI da Petrobras em março que se reunia com João Vaccari Neto, tesoureiro de Dilma em 2010, para acertar propinas e doações eleitorais. Barusco é um dos presos pela Lava Jato que fechou uma delação premiada.

    Um comentário:

    "Política sem medo" disse...

    Ola Vivi, tudo bem? Obrigada por partilhar desse espaco democratico. Fique a vontade para postar comentarios. Abraco forte.